Empresa maringaense do setor de TI se prepara para Home Office definitivo

Na TecnoSpeed todos os colaboradores estão trabalhando em Home Office e, com o sucesso do formato, 80% permanecerão remotos em definitivo quando a pandemia acabar

O home office chegou para ficar em empresas de diversos setores e, para a empresa maringaense TecnoSpeed, conhecida como A Casa do Desenvolvedor de Software, não será diferente.

Com 120 colaboradores, a TecnoSpeed trabalha desde 2006 desenvolvendo soluções que simplificam o trabalho de se construir um software, em especial, sistemas de documentos
fiscais eletrônicos.

A empresa precisou se adaptar rapidamente ao modelo devido a pandemia da Covid-19 e aponta que o saldo foi tão positivo que o “novo normal” da empresa será trabalhar remotamente.

Para o cofundador e CEO da TecnoSpeed, Erike Almeida, “o impacto de mandar todos para home office do dia para a noite foi grande, mesmo para nós, que já tínhamos alguns colaboradores trabalhando em home office há mais de seis anos”, comenta.

A grande surpresa foi ver o desempenho de setores nunca cotados para o trabalho remoto, como gerentes, coordenadores e diretores. “Já estamos há 80 dias com 100% da TecnoSpeed em home office, ainda não temos previsão de retornar, mas daqui para a frente não será mais igual. A ideia é que 80% dos colaboradores continuem em home office permanente”, explica o CEO.

Mesmo com uma pequena redução nos negócios observada em março e abril, a empresa se comprometeu a não reduzir salários ou fazer demissões por causa da Covid-19. E a estratégia deu certo: o mês de junho já se mostra muito mais promissor.

Os colaboradores também comemoram o sucesso do trabalho remoto. Uma pesquisa interna apontou que 90% dos desenvolvedores de software da empresa gostariam de trabalhar remotamente com mais frequência quando as restrições de permanecer em casa forem flexibilizadas.

Thayza Freitas, analista de RH da TecnoSpeed, conta que durante o isolamento a visão da empresa mudou em relação a jornada de trabalho. “Percebemos uma relação de mais confiança entre os gestores e suas equipes. Se antes o trabalho das 8 às 18 era uma necessidade, hoje o mais importante são as entregas”, explica.

Para os colaboradores, os benefícios são muitos: podem trabalhar em horários mais flexíveis, quando rendem mais. “A flexibilidade trouxe ainda mais produtividade. Alguns comentam que estão rendendo mais e com mais qualidade de vida”, explica a analista.

Novas contratações e o cuidado com os colaboradores

Para se adequar a esse novo modelo home office, o setor de Recursos Humanos precisou sair na frente. Thayza conta que na semana que a OMS (Organização Mundial de Saúde) decretou a pandemia, 100% da empresa foi designada para o trabalho remoto. “Em apenas um dia conseguimos que os gestores avaliassem a necessidade de cada colaborador, disponibilizamos equipamentos e conversamos com o sindicato. Foi tudo muito rápido, mas a adaptação também teve a mesma velocidade”. E a primeira ação da empresa foi enviar aos colaboradores kits para proteção ao coronavírus, como máscaras de proteção e álcool em gel.

As ações internas também foram reinventadas: as comemorações, happy hours e reuniões, antes feitas presencialmente na sede da empresa em Maringá, hoje são realizadas com o envio de mimos para a casa dos colaboradores e acompanhamento online. Todos juntos, mas separados fisicamente. Tudo isso para criar um ambiente favorável para o desenvolvimento humano.

Mesmo no período de isolamento, a área de recrutamento e seleção foi bastante demandada. Durante os 80 dias de isolamento social, foram contratados cinco novos colaboradores. Três já estão fazendo a integração de forma remota e os outros dois passaram por todo processo online, sem testes em papel ou entrevistas presenciais. O novo modelo de trabalho abriu o horizonte da empresa, que antes prospectava candidatos apenas na região de Maringá, um dos participantes do processo seletivo é de outro estado e que já trabalhará no modelo home office.

Com essa visão de trabalho remoto, várias adaptações também estão sendo feitas para estender o pacote de benefícios da empresa como plano de saúde, vale alimentação, curso de inglês, entre outros, em nível nacional.

Agora a TecnoSpeed se prepara para a flexibilização da quarentena e seu escritório está sendo preparado para a volta daqueles que preferirem, voluntariamente trabalhar no modelo convencional. O espaço passará por uma higienização completa, com mais espaçamento entre as mesas e ambientes, a utilização obrigatória de máscaras, entre outros cuidados.

Para a grande maioria que preferir o trabalho no modelo home office, a TecnoSpped disponibilizará toda a estrutura física recomendada como mesas de trabalho, cadeiras ergométricas, além de uma ajuda de custos mensal para ajudar com despesas como energia e internet.

A analista de RH da TecnoSpeed conta que “os colaboradores têm dado feedback positivo, principalmente no que se refere ao cuidado com a gestão de pessoas. Eles se sentem ainda mais próximos e reconhecem o carinho que empregamos em cada ação”.

Não à toa, recentemente a TecnoSppeed foi eleita a 33ª melhor empresa para se trabalhar na América Latina na categoria de pequenas e médias até 500 colaboradores e a única empresa de TI do Paraná entre as melhores para se trabalhar na região.

Compartilhar
Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.